Quem somos
Banco de experiências
Publicações
Fóruns presenciais e virtuais
Agenda
Iniciativas e organizações afrodescendentes
Doadores e patrocinadores
Multimídia
Novidades

URUGUAI
Blogs mostram a produção cultural e artística dos afrodescendentes
20/05/2013

Convidamos aos nossos leitores a conhecer três blogs da Red de Escritores y Creadores Afrodescendientes del Uruguay (REDAFU). Clique nos seguintes links:

Red de escritores/as y creadores afrodescendientes; Escritoras y Creativas Afro. Estes blogs apresentam uma variedade de questões relacionadas com a vida cultural e as expressões artísticas (literatura, teatro, música, dança, artes visuais e outras) da comunidade afrodescendente no Uruguai.

Nzinga creaciones. Sob o slogan "um traço de cultura", este blog promove a produção de artesanatos que recriam antigas técnicas utilizadas por mulheres afrodescendentes.

REGIÃO AMÉRICA LATINA
Juventud con Voz publicou um artigo de opinião do PAAL2
03/04/2013

A plataforma digital Juventud con Voz acaba de publicar "A invisibilidade é também, e acima de tudo discriminação" um artigo de opinião assinado por Silvia Beatriz García Savino, coordenadora da Projeto Regional "População afrodescendente da América Latina II" (PAAL2). Recomendamos a sua leitura.

Criada sob os auspícios do PNUD, a plataforma é um lugar de encontro para promover o debate entre os jovens da região América Latina e Caribe. Um lugar onde os jovens são os protagonistas e os autores da informação através do uso de diferentes ferramentas digitais (blogs, vídeos, áudios, fotos, fóruns, pesquisas online, redes sociais etc.). Os afrodescendentes têm uma secção dedicada especificamente a eles como parte das "Comunidades", junto com "Voces Latinas", "Nos" (mulheres), "Indígena", "Incorruptível".

O objetivo da Juventud con Voz é contribuir para a agenda do desenvolvimento humano sustentável e o fortalecimento das organizações e da liderança política e social da juventude, sob os princípios da governabilidade democrática e inclusão social.

Links:
www.juventudconvoz.org
Artigo: "A invisibilidade é também, e acima de tudo discriminação

CHILE
Um passo importante para a visibilidade estatística da população afro chilena
15/03/2013

O Município de Arica e Parinacota, localizado no extremo norte do Chile, assinou um acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE) chileno para realizar um estudo que irá avaliar e caracterizar a população afrodescendente na região.

Nos termos deste acordo, o governo regional vai fornecer 165 milhões de pesos chilenos (cerca de EUA $ 350.000) para o INE realizar uma pesquisa que terá validade oficial. O projeto "Alianza y Confraternidad Afrodescendiente" será desenvolvido ao longo de um ano, dividido nas seguintes etapas: teste piloto e desenho do questionário final, relatório metodológico e desenho de amostragem teórica, levantamento de dados, entrega do banco de dados e fornecimento de resultados.

Durante uma década, a iniciativa foi impulsionada por várias organizações afro chilenas: Oro Negro, Lumbanga, Arica Negro, hoje agrupadas na ONG “Alianza Afrodescendiente”, presidida por Marta Salgado.

Para mais informações:  www.ine.cl; www.lanacion.cl; www.terrritoriochile.cl.

ARGENTINA
Pesquisa reúne a afrodescendentes e indígenas de Buenos Aires
23/02/2013

Marta Maffia e Liliana Tamagno, reconhecidas pesquisadoras da Universidad Nacional de La Plata, na Argentina, estão realizando um projeto que reúne as comunidades afrodescendentes e indígenas da província de Buenos Aires, a mais populosa e rica do país. “Nuevas visibilidades de la diversidad. Indígenas, afrodescendientes y africanos en el ámbito de la provincia de Buenos Aires” é o título da investigação, cujos resultados serão publicados em um livro.

Para mais detalhes, leia o artigo publicado no site do CONICET (em Espanhol).
Foto: cortesia do site www.laplata-conicet.gov.ar

PANAMÁ
Expertos da ONU pedem medidas concretas para combater a discriminação dos afrodescendentes
21/01/13

Ao concluir sua visita oficial ao Panamá, o Grupo de Trabalho de Expertos da ONU sobre Afrodescendentes expressou a sua preocupação com a discriminação racial, estrutural e institucional das comunidades afrodescendentes e pediu ao governo para tomar imediatamente as medidas concretas para mitigar as suas necessidades e evitar o ressurgimento de conflitos sociais.
Em um relatório preliminar distribuído para a mídia, o grupo de expertos presidido pela jamaicana Verene Shepherd também agradeceu ao governo panamenho pelo convite para visitar o país entre 14 e 18 de Janeiro e pela sua cooperação para estudar a situação da população afrodescendente. As conclusões e recomendações finais serão apresentadas posteriormente ao Governo do Panamá e ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Algumas observações do grupo de expertos

"Apesar do censo nacional de 2010 ter estimado que 9,2% da população era afrodescendente, é óbvio que os afrodescendentes compõem mais de um terço da população total do Panamá", diz o comunicado de imprensa.
Os especialistas também manifestaram preocupação com o grande contraste entre o elevado crescimento econômico e os progressos em muitas partes do país e a exclusão da população negra, especialmente dos jovens e das mulheres.
"Os afrodescendentes estão sub-representados nas estruturas e instituições políticas do Panamá, de modo que seus problemas não têm suficiente visibilidade e não recebem a atenção que merecem", diz o texto.

Para concluir, o documento aconselha "fazer uma campanha de sensibilização de toda a população, prosseguir com as reformas legislativas necessárias e alocar recursos orçamentários suficientes, particularmente em Colón e Bocas del Toro, para produzir mudanças em relação à discriminação racial no país. "

Baixar o texto completo do comunicado de imprensa do Grupo de Trabalho de Expertos da ONU sobre Afrodescendentes (Em Espanhol).

Análise de gênero da população afro-paraguaia
03/12/2012

O documento " Análise de gênero da população afro-paraguaia", publicado em fevereiro de 2012 pela Rede Paraguaia de Afrodescendentes (RPA) com o apoio financeiro da ONU Mulheres, expõe as desigualdades de gênero e raça e/ou etnia da população afro-paraguaia.

Em 2006-2007, foi realizado no Paraguai o primeiro censo de afrodescententes em três cidades: Kamba Cuá, no Departamento Central, Kamba Kokue, situada no departamento de Paraguarí, e Emboscada, no departamento de Cordillera. As três na região leste do país. Neste censo, 7.637 homens e mulheres foram identificados como afrodescendentes.

A Associação Afro-Paraguaia Kamba Cua (AAPKC) foi a principal promotora da iniciativa, com o apoio do Departamento Geral de Estatísticas, Pesquisas e Censos (DGEEC) do Paraguai e o financiamento da Fundação InterAmericana dos Estados Unidos.

A informação do censo de afrodescendentes foi contrastada com os dados do Censo Nacional de População e Habitação, realizado em 2002 pela DGEEC, de modo que a análise permite observar vários indicadores: os níveis educativos, o trabalho remunerado e não remunerado e a saúde das mulheres afro-paraguaias em comparação com os homens afrodescendentes e as mulheres não afrodescendentes.

Baixar o documento completo em espanhol

 

 

COLÔMBIA
Americas Quarterly destaca o trabalho das organizações afrocolombianas
15/11/2012

 

O trabalho das organizações de afrodescendentes na Colômbia para a restauração e proteção dos direitos humanos dos afrocolombianos foi recentemente destacado por Americas Quarterly, uma publicação da Sociedade das Américas/Conselho das Américas (AS/COA, na sigla em inglês).

Em sua última edição, a revista publicou o artigo " Afro-Colombian Leaders: Recognition of Race and the Struggle to Realize Change (Líderes Afrocolombianos: Reconhecimento da Raça e a Luta para Realizar Mudanças)", que leva a assinatura da pesquisadora Ana Margarita Gonzalez (Observatório Discriminação Racial) e faz parte da série ""Leaders of Social & Political Change (Líderes de Mudança Social e Política)".

"Nos últimos 20 anos, a população afrocolombiana passou de ser quase invisível politicamente para assumir um papel maior no debate público e político. Mas ainda estamos longe de muitas das promessas feitas na Constituição de 1991 ", argumenta a autora.

Veja o artigo completo no Americas Quarterly (em inglês).
 

 

MÉXICO
Video contra o racismo se espalha viralmente

23-10-2012

 

Este vídeo foi criado por 11,11 Cambio Social sobre os resultados do "Racismo no México" campanha do Conselho Nacional para Prevenir a Discriminação (CONAPRED), uma entidade estatal mexicana. Ele é baseado em um projeto de pesquisa com crianças mexicanas que reproduziu o experimento desenhado por Kenneth e Mammie Clark na década de trinta nos Estados Unidos.
O vídeo teve um grande impacto na mídia mexicana e internacional: mais de um milhão e meio de visualizações no Youtube; 4 dias consecutivos no top 100 dos vídeos mais vistos na rede mundial, postado no Facebook mais de 140 mil vezes, e publicado em vários blogs e links que ocorreram mais de um milhão de acessos.

PANAMÁ
DNA indica 14,4% de população afrodescendente
23-10-2012

Uma pesquisa genética do DNA mitocondrial dos panamenhos revela que 14,4% da população tem linhagem ancestral de uma mulher de origem Africano. Este valor supera em 56% o resultado do Censo 2010 do Panamá, no qual apenas 313 mil pessoas (9,2%), reconheceram-se como afrodescendentes.

A pesquisa" Decrypting the mitochondrial gene pool of Modern Panamanians”, publicada em junho de 2012 pela Public Library of Science (PLoS One, vol. 7), é baseada na análise de amostras de DNA de 1.565 voluntários de todas as províncias e regiões do Panamá.

Os responsáveis pelo trabalho científico são Ugo Perego A., Hovirag Lancioni, Maribel Tribaldos, Norman Angerhofer, Jayne E. Ekins, Anna Olivieri, R. Scott Woodward, Juan Miguel Pascale, Richard Cooke, Jorge Motta e Achilli Alessandro.

Os pesquisadores tiveram o apoio financeiro do Memorial Gorgas Instituto de Estudos de Saúde, da Bolsa Gorgas para Estudos Genéticos, do Ministério da Instrução, Universidade e Pesquisa da Itália, e da Sorenson Molecular Genealogy Foundation.

Links:
Publicação oficial da pesquisa.
Censo 2010
Descrifrando el Genoma Panameño
(artigo de Tamara del Moral para "La Prensa", em espanhol).

URUGUAI
Finalmente, o Censo 2011 informou o número de afro uruguaios
13/08/2012

O Censo de 2011 foi o primeiro a investigar as origens étnicas dos uruguaios. Na semana passada, o Instituto Nacional de Estatística (INE) da República Oriental do Uruguai informou que existem mais de 250.000 afrodescendentes, o que representa 8% da população total (3.286.314).

Rivera (17%), Artigas 17%) e Cerro Largo (11%) são os departamentos com o maior percentual de população afrodescendente. Eles estão localizados ao longo da fronteira com Brasil, no extremo norte do Uruguai. (veja o mapa fornecido pelo INE).


URUGUAI
Afro uruguaios têm dificuldade de acesso ao diploma universitário
2012/12/08

São apenas 200 os afro uruguaios que obtiveram um diploma universitário, de acordo com as estimativas mais otimistas de entidades como Mundo Afro e o Departamento das Mulheres Afrodescendentes do Ministério de Desenvolvimento Social (Mides) do Uruguai. A informação vem de um artigo assinado por Leonel Garcia ("El País", Revista Domingo, 2012/12/08).

O artigo explica que, embora sejam 17.492 os afro uruguaios matriculados no ensino superior (4% da população nesse nível de educação) poucos são os que conseguem se formar por causa do nível de pobreza deste grupo, o dobro do resto da população (39,6% a 18%). A necessidade de começar a trabalhar muito cedo faz com que seja difícil atingir os mais altos níveis educacionais.

Além disso, a publicação indica que 62,75% dos afro uruguaios que estão com 20 anos ou mais não completaram o ciclo básico, enquanto quase metade desse grupo, 47% freqüentaram apenas a escola primária. Os dados vêm do Ministério do Desenvolvimento Social (Mides) do Uruguai.

Link para o artigo.

VENEZUELA
Resultados da auto-identificação étnica no Censo 2011
13/08/2012

O Censo 2011 da Venezuela foi o primeiro a incluir a pergunta sobre a auto-identificação étnica. Do total da população registrada (27,227,930 pessoas), 49,9% se auto classificaram como morenos; 42,2% como brancos, 2,8% se definiram como negros, 2,7% como indígenas e 0,7% como afrodescendentes (181,157 pessoas).

Os afrodescendentes encontram-se principalmente nas áreas central e ocidental do país: 42.264 vivem em Miranda, 21,281 em Carabobo, 19,874 em Aragua, 18.675 no Distrito Capital e 15.019 em Zulia.

Para mais detalhes, consulte os "Resultados básicos do Censo 2011", documento, publicado em 2012/08/08 pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) da República Bolivariana da Venezuela.

NA MÍDIA
A invisibilidade estatística é também discriminação

31/07/2012

A revista Humanum, publicação do Escritório Regional para a América Latina e Caribe do PNUD, acaba de publicar um artigo de Silvia Beatriz García Savino -Coordenadora do projeto regional População afrodescendente da América Latina II (PAAL2)- intitulado "A invisibilidade estatística também é discriminação ".

No texto, García Savino  anuncia que nas próximas semanas o PAAL2 vai publicar um livro que por primeira vez sistematiza toda a informação dos censos e pesquisas domiciliares dos países da América Latina a partir de 2000 até o presente.

Clique aqui para acessar o texto completo

Foto: ONG Oro Negro

RECONHECIMENTO
Dorotea Wilson membro de grupo consultivo da ONU Mulheres
22/05/2012

A nicaragüense Dorotea Wilson T. foi selecionada para servir  no Grupo Consultivo Regional sobre a Sociedade Civil da ONU Mulheres para a América Latina e o Caribe que reúne mulheres de organizações com uma reconhecida e valiosa  experiencia na promoção dos direitos das mulheres e da igualdade de gênero na região.

A designação é um reconhecimento apropriado da longa história de Dorotea Wilson como ativista e militante em defesa dos direitos humanos das mulheres, especialmente das afrodescendentes.Desde 2008, Wilson atua como Coordenadora Geral  da Rede de Mulheres Afro-latinoamericanas, Afro-caribenhas e da Diáspora, uma organização que se autodefine como "um espaço de articulação e fortalecimento das mulheres afrodescendentes para a construção e reconhecimento de sociedades democráticas, eqüitativas, justas,  multiculturais, livres de racismo, discriminação racial, sexismo e exclusão, e promover a interculturalidade. "

Ver detalhes biográficos de Dorotea Wilson no site da Rede. Recomendamos também a leitura da entrevista publicada por América Latina Genera (ambos os textos em Espanhol).

Foto: cortesia de www.mujeresafro.org

Empreendemos uma nova etapa: PAAL2
07/05/2012

Este site empreende agora  um necessário processo de renovação, para dar lugar aos novos objetivos e atividades do projeto regional do PNUD "População Afrodescendente da América Latina II" (PAAL2). A segunda fase do projeto visa fortalecer o trabalho do projeto regional "População Afrodescendente da América Latina", que foi lançado em maio de 2009 e terminou em Dezembro de 2011.

Houve uma pausa de dois meses e meio em que o PNUD abriu concurso para o cargo de novo coordenador do projeto. Depois de um longo processo aberto e público, as autoridades do PNUD escolheram novamente a Silvia Beatriz Garcia Savino.

Os progressos realizados na primeira fase do projeto, reconhecidos por governos e organizações da região, continuaram registrados nas várias seções deste site, com um natural deslocamento a fim de priorizar as atualizações.

Pedimos a aqueles que visitam o nosso site desculpas por qualquer inconveniente que isso possa causar.

PAAL1 em números 
07/05/2012

A seguir oferecemos um resumo das ações desenvolvidas no período 2009-2011 pelo projeto regional "População afrodescendente da América Latina" (documentadas com maior detalhe nas diferentes páginas do nosso site):

  • Foram publicados 8 livros, 1 cartilha, 1 relatório, 1 revista, com mais de 8600 cópias (baixar as versões digitais na secção "Publicações" deste site), 2 vídeos e 100 CD.
  • Internet: foram criados este site e um blog. 37 organizações afrodescendentes e uma cidade inteira do Panamá foram conectadas a internet.
  • Seminários, oficinas e fóruns: 700 pessoas matriculadas em 3 seminários (Panamá, Uruguai, Colômbia), 2 oficinas presenciais (Bogotá, Panamá), 4 oficinas virtuais, 2 fóruns presenciais (Panamá, Colômbia), 4 fóruns virtuais.
  • Feira da Inclusão Social: mais de 500 visitantes registrados no pavilhão "We Are Afro". Feira regional realizada em Cali, Colômbia.
  • Boas práticas: 14 boas práticas para a inclusão social foram documentadas.
  • Imprensa: 121 pessoas assistiram a nossas oficinas para meios de comunicação e jornalistas (Nicarágua e Colômbia). Foram concedidas 15 bolsas de estudo integrais para a formação de jornalistas da Colômbia, Equador e Panamá.
  • Pesquisa: o projeto promoveu a elaboração e publicação de estudos acadêmicos

 

 

 

 

 

Arquivo PAAL1 (2009-2011)

Alta participação em cursos e fóruns sobre população afrodescendente

 

29/11/2010

Até mediados de dezembro de 2010, desenvolvem-se os cursos e fóruns organizados em conjunto pelo Projeto Regional “População afrodescendente de América latina” e a Escola Virtual para América Latina e Caribe do PNUD, que se detalham a continuação:

  • Curso virtual Políticas Públicas com Enfoque de Desenvolvimento Humano: Inclusão social da População Afrodescendente. (Unidade 3 e Unidade 4). 
  • III e IV Fóruns de Políticas Públicas de Inclusão Social e Identidade da População Afrodescendente.

Nas duas atividades estão se obtendo bons resultados e se registra uma alta participação dos alunos inscritos, provenientes de 15 países latino-americanos: Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, El Salvador, Honduras, Guatemala, Nicarágua, México, Panamá, Peru, Uruguai e Venezuela. Todos os estudantes recebem bolsas do100%, outorgadas pelo Projeto Regional. 


NA MÍDIA
A agência de notícias IPS publicou artigo sobre nossa oficina de Manágua


26/11/2010

 “População negra reconhecida, mas ignorada” é o título do artigo assinado por José Adán Silva que a agência internacional de notícias Inter Press Service (IPS) distribuiu a 3.000 meios de comunicação e dezenas de milhes de grupos da sociedade civil, acadêmicos e outros usuários. O artigo divulga informação da Oficina “Direitos da população afrodescendente da América Latina: desafios para a sua implementação”, realizada em Manágua, Nicarágua e organizada pelo Projeto Regional

Ler artigo: espanholinglês

 

ARGENTINA
Reestreia “Calunga Andumba”, obra teatral afro argentina

12/11/2010

Com uma estética totalmente renovada volta na cena teatral de Buenos Aires “Calunga Andumba” a peça criada pelas irmãs Susana e Carmen Platero no meio dos anos 70. Calunga, nome bantu da deusa do mar, e Andumba, onomatopéia afro rioplatense que incita ao movimento, compõem o título da obra que reúne varias linguagens expressivas para contar a história da invisibilizada comunidade afrodescendente do Rio de La Plata.  Será representada pela Comedia Negra de Buenos Aires, sob a direção da atriz afro-cubana Alejandra Egido.

Teatro Empire, Hipólito Irigoyen 1934, Buenos Aires. Data: 17 y 24 de novembro, 21h.

Mais informação: Argentina/Cultura: Vuelve la Comedia Negra de Buenos Aires (Legado Afro)


COLÔMBIA
Acordo com o PROLOGO para a realização de um diplomado em Cartagena

14/10/2010

O Projeto Regional “População afrodescendente da América Latina” (PAAL) e o Projeto Rede Latino Americana PROLOGO formalizaram um acordo de co-financiamento do “Diplomado em governabilidade y ação política da população afro cartagenense”. O acordo foi assinado no passado dia 12 de outubro pelos coordenadores de ambos os projetos, Silvia García Savino e Gerardo Berthin, respectivamente.

Segundo a carta de acordo o diplomado procura “fortalecer as competências de jovens, mulheres e homens afros de Cartagena para que tenham maiores possibilidades de incidir nos espaços de representação política local e regional.

O diplomado terá uma duração de 5 meses (172 horas no total) e se articulará em três níveis de intervenção: sessões presenciais, tutorias acadêmicas, e acompanhamento participativo.

Link:
Projeto Rede Latino Americana PROLOGO



A raiz negra da Argentina

11/10/2010

Recomendamos a leitura de uma entrevista com a filósofa argentina Dina V. Picotti de Camara. Intitulada La filósofa que rescata la raíz negra de la Argentina (A filósofa que resgata a raiz negra da Argentina), é assinada por Alejandra Rey e foi publicada pelo jornal “La Nación” de Buenos Aires, no dia 9 de outubro.

Em setembro de 2009, Picotti participou no Seminário Las mujeres afrodescendientes y la cultura latinoamericana: identidad y desarrollo (As mulheres afrodescendentes e a cultura latino-americana: identidade e desenvolvimento),organizado pelo projeto na cidade de Montevidéu . Baixar o PDF da publicação que compila as apresentações e conclusões do seminário

Links:
La filósofa que rescata la raíz negra de la Argentina, (entrevista em espanhol).
Las mujeres afrodescendientes y la cultura latinoamericana: identidad y desarrollo (PDF em espanhol)

 

COLÔMBIA
Seminário em favor da população afro-colombiana
22/7/2010 

 

No último dia 12 de julho teve lugar em Bogotá o Seminário-Oficina “Análise das políticas e intervenções para  o avanço da população afro-colombiana “ organizado pelo Projeto “População Afrodescendente da América Latina”, com a cooperação do Escritório do PNUD na Colômbia.

O encontro (ver Agenda completa) realizou-se no Hotel Dann Norte e contou com 46 participantes, entre os quais se encontravam dirigentes de organizações afro-colombianas, funcionários do PNUD, Unicef, representantes do governo colombiano y da Embaixada da Noruega, pais patrocinador do  projeto. Destacou-se a presença de Oscar Gamboa, coordenador de temas afro do Presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos. Pelo Projeto, assistiu a sua coordenadora, Silvia García Savino. 

Os objetivos do Seminário foram: identificar vazios, barreiras e nodos críticos que limitam a eficiência e a efetividade das políticas publicas desenhadas, executadas ou em execução  para favorecer a inclusão e o desenvolvimento humano da população afro-colombiana e potenciar o seu avanço no logro dos Objetivos de Desenvolvimento.  Identificar claves, códigos e características que fazem ou podem fazer que uma intervenção possa ser considerada exitosa; formular recomendações para corrigir as barreiras e os vazios identificados para fazer mais eficientes e efetivas as políticas e as intervenções.

Ao longo do Seminário, as organizações afro-colombianas formularam variadas e interessantes propostas, as quais são resumidas –classificadas segundo as diferentes áreas temáticas- no documento adjunto.

Ver fotos do Seminário.

 

PANAMÁ
Produtivo fórum sobre inclusão social da população afro panamenha em Colón

09/07/2010

O Fórum “Políticas públicas e programas de inclusão social da população afro-panamenha”, realizado no dia 5 de Julho na cidade de Colón (Panamá) reuniu representantes do governo, das organizações afro panamenhas, funcionários do PNUD e comunicadores, quem debateram estratégias e passos a seguir para a construção coletiva de políticas inclusivas para as comunidades afro da região.

Quem quiser aprofundar sobre o desenvolvimento deste fórum, pode baixar em PDF uma detalhada MEMÓRIA da reunião e seu PROGRAMA DE ATIVIDADES (disponíveis apenas em espanhol).

 

COLÔMBIA
Finalistas que participarão na “Feira da inclusão Social” de Cali

09/07/2010

Temos o prazer de comunicar o resultado do processo de seleção das iniciativas que serão exibidas na “Feira da Inclusão Social”, que terá lugar no âmbito do Festival de Música Del Pacífico Petronio Álvarez (Cali, Colômbia, entre os dias 11 e 15 de agosto de 2010). Conforme aos acordos do Conselho de Notáveis, as 7 iniciativas finalistas são as seguintes:

1. “Procesos etnia del Manglar”, apresentada por ASCONAR, de Nariño, Colômbia (Geração de Ingressos).

2. “Proyecto de desarrollo empresarial y consolidación de la corporación GEINNOVA. Incubadora de empresas del Chocó”, apresentado pela Corporación GEINNOVA , de Quibdó, Colombia. (Geração de Ingressos)

3. “Creación y puesta en marcha de una empresa productora y comercializadora de dulces típicos afrocolombianos”, apresentada pela Organización Social de Comunidades Negras ÁNGELA DAVIS, de Barranquilla, Colômbia. (Geração de Ingressos)

4. “Pasos de la tierra. Formación y creación en danza para la inclusión social afrocolombiana”, apresentada pela CORPORACIÓN CULTURAL AFROCOLOMBIANA SANKOFA, de Medellín, Colômbia. (Educação)

5. “Casa Cultural Afro-Ecuatoriana ‘Con manos de ébano’”, apresentada pela Fundación de Desarrollo Social y Cultural Afroecuatoriana “AZÚCAR” de Quito, Equador. (Educação)

6. “Inclusión escolar de la etno-educacion y los estudios afrocolombianos en el Distrito de Cartagena”, apresentada pela Corporación de docentes y maestros investigadores de la ETNOEDUCACIÓN, Coretnoeducación, de Cartagena, Colômbia. (Educação)

7. “Formación integral-cultural-artística en el género musical urbano champeta criolla enfocada para la generación de ingresos”, apresentada pela Corporación CHAMPETA Criolla de Cartagena, Colômbia. (Educação)

As 7 boas práticas finalistas serão apresentadas na Feria de Cali por seus responsáveis diretos. A informação sobre as boas práticas será incorporada ao nosso banco de dados e publicada nesta página, para que as práticas possam ser facilmente replicadas em outros países da América Latina.

 

COLÔMBIA
Seminário-Oficina para jornalistas: objetivo atingido

18/06/2010

O Seminário-Oficina de reportagem multimídia, a população afro na América Latina fechou com êxito suas atividades na cidade de Cartagena, no passado dia 11 de junho, deixando como resultado final um blog multimídia chamado Somos Afro, que compila os trabalhos dos jornalistas participantes (disponível apenas em espanhol).

“Foi cumprido o programa estabelecido. A associação com a Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano e a Deutsche Welle-Akademie deu excelentes resultados”, disse Silvia Beatriz García, Diretora do projeto População Afrodescendente da América Latina. 

Desenvolvimento do Seminário-Oficina
O programa de atividades foi intensivo: os 15 jornalistas participantes – provenientes da Colômbia, Equador e Panamá - começavam as suas atividades ás 8 da manhã,  e trabalhavam até as 7 da tarde, sempre sob a direção do professor Steffen Leidel e a jornalista Marta Ruiz.

A oficina centrou-se em conselhos práticos orientados ao uso das ferramentas multimídia de “open source” e na narrativa jornalística como um novo recurso para informar e contar historias. Também foi incluída uma sessão de contextualização e análise das notícias, destinada a abrir o panorama dos jornalistas presentes de modo que pudessem realizar o projeto multimídia final. Os assistentes tiveram que sair a procurar noticias sobre a população afro da cidade; com este material, mas o que tinham trabalhado previamente, foram produzidos os conteúdos do blog Somos Afro

“Este seminário-oficina demonstrou que é necessário seguir trabalhando com jornalistas.  Eles mesmos reconheceram não dispor de informação para o tratamento adequado das notícias referidas a população afro. Se houvesse recursos, seria necessário repetir este seminário para jornalistas de outros países da América Latina”, fechou García.

 

BOAS PRÁTICAS
Resultados da primeira avaliação para a Feira de Cali

16/06/2010
 
Na primeira etapa da avaliação foram escolhidas 7 das 14 iniciativas que se postularam para participar da Feira de boas práticas para a inclusão social da população afrodescendente do PNUD, que terá lugar do dia 11 ao dia 15 de agosto em Cali, Colômbia. Do grupo selecionado, 6 iniciativas são da Colômbia e 1 do Equador. Respeito da área temática, 4 correspondem a área de educação e 3 a área de geração de renda.

Hoje começa a etapa final da avaliação, chamada “avaliação no terreno”; nela, os expertos  independentes, contratados pelo projeto regional PNUD, visitarão as 7 iniciativas escolhidas. As boas praticas finalistas neste processo serão apresentadas na Feria de Cali por seus responsáveis diretos.

A informação sobre as boas práticas será incorporada ao nosso banco de dados e publicada nesta página, para que as práticas possam ser facilmente replicadas em outros países da América Latina.

PANAMÁ
Mais população afro-panamenha conectada à internet

31/05/2010
 
O projeto “População afrodescendente da América Latina” assinou um acordo com Infoplazas AIP através do qual a partir do próximo 03 de junho serão fornecidos serviços de Internet via satélite para a população da cidade de Palenque, província de Colón, no Panamá, com uma velocidade de 2 megabytes (ver programa da cerimónia de abertura).
 
Palenque é cabeceira do distrito Santa Isabel e junto com Portobelo fazem parte da chamada Costa Arriba, no Mar do Caribe. Tem uma população de aproximadamente 300 pessoas, a maioria afro-panamenhos.

Até agora, o projeto tem prestado apoio para que 21 organizações afrodescendentes em nove países latino-americanos estejam conectadas à rede global.  Continuam sendo conectadas organizações da Colômbia, Equador e Panamá.


COLÔMBIA
Van Dijk faz palestra da abertura no Seminário-Oficina de Cartagena

27/05/2010

O professor Teun A. Van Dijk (Holanda), renomado lingüista e pesquisador do discurso fara palestra sobre a Análise crítica das notícias no dia de abertura do Seminário-Oficina de Reportagem Multimídia, a população afro na América Latina, que terá lugar em Cartagena entre os dias 7 e 12 de junho, no qual participarão 15 jornalistas do Panamá, Colômbia e Equador.

O palestrante será apresentado por Silvia Beatriz García (Argentina), Diretora do Projeto População Afrodescendente da América Latina – PNUD, organizador da atividade em parceria com a Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano (FNPI) e a Deutsche Welle-Akademie.

Dada a relevância do seminário para a área de Governança Democrática do PNUD na América Latina e Caribe, vai participar da cerimônia de abertura o seu coordenador, Álvaro Pinto (Chile-Holanda), acompanhado de Steffen Leidel (Alemanha), Gestor de Projetos da DW-Akademie e Diretor de Re-Visto, e Jaime Abello Banfi (Colômbia), Diretor Geral da Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano (FNPI).

Na abertura também terá uma mesa redonda sobre população afro na América Latina, conflitos, cultura e desafios, com a participação de Gustavo de Roux (Colômbia) e Ricardo Chica (Colômbia). Igualmente serão apresentados os resultados dos trabalhos sobre a cobertura dos temas afro pela mídia da Colômbia e Equador, realizados por Camilo Tamayo (Colômbia) e Carlos de la Torre (Equador), consultores do PNUD (ver resumos).

O Seminário-Oficina se concentrará na análise e na prática do jornalismo digital e na cobertura dos temas relacionados com a população afrodescendente da America Latina. A atividade será conduzida por Steffen Leidel (Alemanha), criador do blog Re-visto.de, professor de jornalismo digital e gestor de projetos da DW-Akademie, e Marta Ruiz (Colômbia), jornalista, editora de segurança da revista Semana e colunista da revista Arcadia.

Graças aos aportes do PNUD, FNPI, e DW-AKademie, os jornalistas que participam do Seminário-Oficina recebem bolsa completa. Apóiam o Seminário-Taller: a Comissão Européia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega e a Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB).

Ver programa da fase presencial do Seminário-Taller (7 a 12 de junho) e detalhe das atividades do dia de abertura (PDF).

 

CHAMADA PARA BOLSAS 2010
Fóruns virtuais “Políticas públicas com enfoque de desenvolvimento humano dirigidas a população afrodescendente”

12/05/2010

O projeto regional “População afrodescendente da América Latina” convida a participar dos fóruns virtuais sobre políticas públicas de inclusão social para a população afrodescendente que serão realizados no mês de Julho de 2010, organizados conjuntamente com a Escola Virtual para América Latina e Caribe do PNUD. Duração: 15 dias. Bolsas do 100%. Entrega de certificados.

Poderão participar cidadãos residentes nos países da América Latina com formação acadêmica superior, tecnológica e/o profissional. Vagas limitadas.

Uma Comissão de Seleção a ser conformada por professores externos e funcionários da Escola Virtual avaliará as postulações.

Clique aqui para mais informação e inscrição .

 

CONVOCATÓRIA
Feira de boas práticas para a inclusão social da população afrodescendente

04/05/2010

O projeto convoca as organizações da Colômbia, Equador e Panamá que realizam boas práticas de inclusão social da população afrodescendente nas áreas da educação, habitação, saúde e emprego- a participar da feira de boas práticas que terá lugar no âmbito do Festival de Música del Pacífico Petronio Álvares(11-15/8/2010, Cali, Colômbia).

Avaliadores independentes selecionarão 10 práticas no total. Como reconhecimento, serão convidadas para assistir a feria (passagens e viáticos) 2 pessoas diretamente relacionadas com as práticas. A informação será incorporada ao nosso banco de dados e publicada nesta pagina, para que as práticas possam ser facilmente replicadas em outros países da America Latina.

Para conhecer os requisitos para a participação, consultar as bases da convocatória. A informação pode ser enviada a traves do formulário disponível online. No caso de duvidas, escrever a Shaunette Bailey  e/o Rosario Ramos.

A data limite para a recepção de postulações no PNUD é o 21 de maio de 2010, as 12.00.



BOLSAS
Lista de participantes do Seminário-Oficina para periodistas de Cartagena

03-05-2010

Apresentamos a lista dos 15 jornalistas selecionados para participar do Seminário-Oficina de Reportagem Multimídia, a população afro na América Latina,  que terá lugar em Cartagena (Colômbia) entre os dias 7 e 12 de junho, organizado pelo Projeto População Afrodescendente da América Latina –PNUD-, a Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano (FNPI)  e a Deutsche Welle-Akademie.

O seminário-oficina se concentrará na análise e na prática do jornalismo digital e na cobertura dos temas relacionados com a população afrodescendente da America Latina. A atividade será conduzida por Steffen Leidel (Alemanha), criador do blog Re-visto.de, professor de jornalismo digital e gestor de projetos da DW-Akademie, e Marta Ruiz (Colômbia), jornalista, editora de segurança da revista Semana e colunista da revista Arcadia.

Graças aos aportes do PNUD, FNPI, e DW-AKademie, os jornalistas selecionados não pagarão a matricula e também serão cobertos os seguintes custos: bilhetes aéreos, asseguração medica, alojamento, comida e materiais de trabalho. Apóiam o Seminário-Taller: a Comissão Européia,  o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega e a Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB).

Links para maior informação:
Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano (FNPI).
População afrodescendente da América Latina PNUD, Publicações.

PANAMÁ
PNUD contribui para a campanha de sensibilização da população afro panamenha com vista ao Censo 2010

14/04/2010

O projeto regional “População afrodescendente da América Latina” aportará cerca de 24.000 dólares para uma campanha de sensibilização da população afro panamenha respeito dos censos de população e habitação 2010, que terão lugar no próximo dia 16 de maio em Panamá.

O aporte será destinado a contribuir com as ações propostas pelo Ministério de Desenvolvimento Social do Panamá, a Secretaria Executiva do Conselho da Etnia Negra e a Contraloría Geral do Panamá: a confecção de 100.000 flipetas (flyers) para ser distribuídas em todo o território panamenho; a impressão, colocação  e aluguel de painéis  nas ruas, e a realização de uma campanha radial em 20 emissoras de todo Panamá,  entre  os dias 14 de abril e 14 de maio.

O projeto também contribuirá para a colocação de banners nas ruas, respaldando a iniciativa do Presidente do Conselho da Etnia Negra do Panamá, Enrique Sánchez.

Os aportes mencionados estarão sujeitos ao cumprimento dos trâmites requeridos pelas normas e procedimentos do PNUD. Para que os nossos leitores possam ver os produtos deste aporte, serão feitas fotos dos impressos e gravações das mensagens de rádio.

O projeto e o PNUD, no seu conjunto, estão muito satisfeitos pelas propostas apresentadas e os resultados alcançados.

 

Afroargentinas graduam-se da Escuela de Formación de Líderes Afrodescendientes en Derechos Humanos
 
22/3/2010

LA CEIBA, HONDURAS. Finalizado o Terceiro Módulo “Vivencias e Lutas dos Afrodescendentes” do VIII Diplomado da Escuela de Formación de Líderes Afrodescendientes en Derechos Humanos, no dia 19 de março as 7.00 p.m. realizou-se um importante ato de despedida das irmãs  Patrícia Gomes e Victoria Dias, ambas representantes da Asociación Caboverdeana de Buenos Aires, Argentina, quem participaram no Diplomado.

Patricia e Victoria compartilharam na Organización de Desarrollo Étnico Comunitário (ODECO) durante dois meses, realizando atividades de maneira intensiva com conteúdo teórico e prático, além de ações de extensão comunitária, como assembléias comunitárias, seminários-oficina, programas radiais, entrevistas na televisão local e nacional, visitas comunitárias informativas, reuniões em ministérios e na casa presidencial.  

A solene cerimônia de graduação contou com a presença de dirigentes, funcionários, ativistas e membros da ODECO, além de representantes de instituições  governamentais e da sociedade civil da cidade La Ceiba. Agradecemos profundamente seu acompanhamento e compromisso com este importante processo e reiteramos nossa gratidão ao corpo de catedráticos nacionais e internacionais que continuam compartilhando seus conhecimentos para forjar uma nova liderança, assim como à liderança das comunidades e as agências amigas de cooperação internacional por fazer possível este lindo projeto em defesa dos direitos humanos das populações e das comunidades afrodescendentes das Américas.

Os assistentes desfrutaram de um delicioso lanche e de uma numero cultural a cargo do Cuadro de Danzas Garífunas ODECO.

JUNTA DIRETIVA CENTRAL ODECO
BUSCAMOS  VOZES  QUE FAÇAM CALAR O SILÊNCIO…
REFORÇANDO VALORES E INCENTIVANDO A INCLUSÃO …


Mensagem do Secretário Geral no Dia Internacional da Eliminação da Discriminação Racial

21 /03/2010

Nesta data 50 anos atrás, dezenas de manifestantes pacíficos foram vitimas do massacre de Sharpeville, na África do Sul, quando participavam de um protesto contra as repugnantes leis de salvo-conduto desse pais. As Nações Unidas lembram esse aniversário solene como o Dia Internacional da Eliminação da Discriminação Racial para reafirmar o compromisso de prevenir toda repetição dos horrores provocados pelo racismo, desde a escravidão até o Holocausto, desde o apartheid até a depuração étnica e o genocídio. 

Este ano a comemoração se concentra na relação entre racismo e esporte, o que é muito oportuno porque África do Sul será o primeiro país africano no qual terá lugar um Campeonato Mundial de Futebol. Todos devemos assegurar que não haverá nenhuma possibilidade de que se cometam atos de racismo ou xenofobia, nem dentro nem fora dos estádios durante este evento tão importante.

Num plano mais geral, devemos impulsionar a todas as organizações esportivas e adotar políticas estritas contra a discriminação, assim como disposições para sancionar aos autores dos atos de racismo e fazer justiça para as vítimas.

Ao mesmo tempo, devemos aproveitar este Dia Internacional como uma oportunidade para destacar o papel positivo dos esportes como um meio para por em contato mais estreito as pessoas de todas as origens e culturas. Os esportes podem mobilizar a ação das comunidades cujos direitos não são reconhecidos, influenciar em nossas percepções e inspirar milhões de pessoas no mundo inteiro.

Rendamos homenagem em memória dos que perderam a vida em Sharpeville e outros incidentes racistas, redobrando os nossos esforços para eliminar todas as formas de racismo e discriminação racial. Transformemos as boas intenções em normas jurídicas e na determinação de cumpri-las. Sobre tudo, apreciemos a rica diversidade da humanidade e respeitemos a dignidade e a igualdade de todos os seres humanos.

Links: www.un.org  
 
       www.cinup.org
www.un.org/en/slavery/

 

 

Há racismo no Panamá?

12/03/2010

O 67% dos panamenhos considera que existe racismo no Panamá. O dado vem de um relatório elaborado pela pesquisadora IPSOS Publics Affairs para a imprensa local.O estudo é baseado no trabalho de pesquisa realizado no último trimestre de 2009, para o qual foram entrevistadas 1200 pessoas residentes em áreas urbanas e semi-urbanas, maiores de idade e com direito a voto.

Existem diferenças estatisticamente significativas na percepção do problema de acordo com o sexo, idade, nível sócio-econômico dos entrevistados. A percepção de que existe racismo é maior entre as mulheres do que entre os homens. Também com o incremento da renda aumenta o número de pessoas que percebe que há racismo no Panamá. Finalmente, são os inquiridos mais jovens (18 a 29 anos) que mais sentem a discriminação (71%).

Para este trabalho foi utilizado um questionário estruturado de perguntas fechadas, elaborado pela IPSOS e aprovado pelo canal de televisão Telemetro (MEDCOM) e pelo jornal Panamá América (EPASA).

Fonte: IPSOS - Levantamento realizado pela IPSOS para Telemetro e Panamá América.